O que é Plano de Parto? | Por Adele Doula

O que é Plano de Parto? Para que serve? É realmente necessário? Como elaborar um bom Plano de Parto? E como apresentá-lo para a equipe uma vez pronto? Muitas são as dúvidas das mulheres quando se fala em Plano de Parto! Espero neste post conseguir esclarecer algumas delas.

Espero que gostem!


O QUE É PLANO DE PARTO?

Renata_PlanoParto

O Plano de Parto é um documento escrito pela mulher durante a gravidez e que serve para listar as suas preferências para o momento do parto e pós-parto imediato. O Plano de Parto não é um roteiro onde é rigidamente estipulado o que deve ser feito e em qual momento, nem um contrato ao qual todos devem se submeter: trata-se de uma lista de alternativas definidas pela mulher do que ela considera desejável – ou não – para o momento do seu parto e que pode sofrer alterações (e geralmente sofre) durante o trabalho de parto.

O Plano de Parto é uma carta detalhada que tem o propósito de informar aos acompanhantes e também a toda a equipe de saúde que atenderá ao parto quais são os desejos da mulher, deixando bem claro os procedimentos com os quais essa mulher se sente confortável e quais ela não deseja que sejam feitos consigo e com seu bebê.

Hoje em dia, cada vez mais profissionais recomendam que a mulher faça um Plano de Parto como forma de facilitar a comunicação entre ela e a equipe, deixando tudo “por escrito”, mas é muito comum que na hora H (ou hora P, como é conhecida) ele termine “no fundo da gaveta”. Isso acontece porque muitas vezes o Plano de Parto não é exatamente adequado à realidade em que essa mulher está vivenciando o trabalho de parto, não levando em conta protocolos adotados pela equipe que vai atendê-la ou pela instituição onde planeja ter seu parto, por exemplo, ou não contemplando a necessidade de possíveis intervenções.

É muito importante que o Plano de Parto seja elaborado durante o pré-natal, em conjunto entre a mulher e os profissionais que a estão acompanhando, e que ela seja adequadamente informada a respeito dos protocolos do local onde deseja ter seu parto e das condutas específicas da equipe que vai atendê-la diante de diferentes complicações, para poder elaborar um Plano de Parto realmente adequado e que terá maiores chances de ser colocado em prática no momento do parto.

Existem hoje disponíveis na internet diversos modelos de Planos de Parto, porém é aconselhável que a mulher faça sua própria pesquisa e escreva seu próprio Plano de Parto personalizado, que seja o real reflexo de suas vontades e possa então ser seguido realmente.


PRIMEIRO PASSO: A PESQUISA

A pesquisa é a parte mais importante do processo e também a mais difícil. A mulher precisa correr atrás de informações, ler bastante, questionar seu médico e a equipe do hospital escolhido para saber exatamente quais são os procedimentos que a esperam na hora do trabalho de parto e parto e, sobretudo, para saber quais desses procedimentos não são realmente necessários e podem ser recusados.

Hoje em dia, nas maternidades brasileiras, a maioria dos procedimentos feitos de rotina não possuem embasamento científico para serem feitos de forma rotineira e já existem evidências científicas disponíveis, sobretudo na internet, que permitem que a mulher se informe e recuse procedimentos desnecessários.

Infelizmente ninguém pode fazer esse árduo trabalho pela mulher e muitos médicos ainda não contribuem para que as mães e pais sejam bem informados e tenham um papel ativo na tomada de decisões com relação ao seu parto. Alguns profissionais chegam a manipular e mentir para suas pacientes para mantê-las em um estado de ignorância submissa. É importante que a mulher seja ativa na busca de informações se deseja que o parto ocorra à sua maneira.


SEGUNDO PASSO: ESCREVENDO O PLANO DE PARTO

Na hora de redigir o Plano de Parto, o formato de apresentação pode variar conforme a sua preferência. É importante ficar atenta para que o formato e o texto sejam claros e fáceis de ler.

Veja abaixo algumas opções:

birth plan template

birth plan @

birthplan-e1514821475583.jpg

plano de parto

BirthPlan PicturesWordsBlurredName

É importante manter uma certa flexibilidade na hora de elaborar o Plano de Parto, pois o trabalho de parto às vezes evolui de maneiras inesperadas que podem exigir intervenções médicas ou até mesmo uma Cesariana de emergência ou uma internação em UTI. 

O Plano de Parto não precisa ser enorme, mas deve conter alguns tópicos essenciais:

  • PLANO A: O PARTO IDEAL

O plano A é o parto ideal da mulher. Na maioria dos casos (mas nem sempre) é um Parto Natural, o que significa um parto sem intervenções médicas. O plano A costuma reunir os detalhes relativos à ambiência (local, iluminação, música, pessoas presentes) e aos cuidados não-farmacológicos que a mulher considera importantes.

Vale a pena mencionar no Plano de Parto a LEI Nº 11.108, DE 7 DE ABRIL DE 2005, a Lei do Acompanhante, que garante às gestantes o direito a um acompanhante de sua escolha durante todo o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato e se possível anexar uma cópia da Lei ao Plano de Parto. Para as moradoras do DF, pode ser útil levar consigo também uma cópia da LEI No 5.534, DE 28 DE AGOSTO DE 2015, que Institui o Estatuto do Parto Humanizado no Distrito Federal.

  • PLANO B: O PARTO COM INTERVENÇÕES

O plano B reúne as opções de parto com intervenções médicas. Não se trata mais do parto ideal imaginado pela mulher, mas de listar as intervenções que a mulher autoriza/deseja em caso de intercorrências específicas, e quais as suas preferências caso exista mais de uma possibilidade de conduta.

O Plano B é necessariamente um Parto Hospitalar, portanto a sua elaboração exige que a mulher tenha conhecimento das rotinas e normas do hospital para onde irá e que pense com antecedência sobre como será feita a transferência em caso de Parto Domiciliar. Ela também exige que a mulher se informe a respeito dos diferentes procedimentos e suas indicações, o que acaba por fazer com que chegue mais informada e se sinta mais segura no dia do parto.

  • PLANO C: A CESARIANA

A mulher nunca deve esquecer que a Cesariana é uma cirurgia que pode salvar vidas, e que sempre existe uma chance de um parto terminar em uma cesariana necessária. Portanto é imprescindível incluir a Cesariana no seu Plano de Parto e estar preparada para essa eventualidade.

Hoje, algumas equipes mais humanizadas já foram capazes de adaptar as rotinas da Cesariana para torná-la mais humanizada, diminuindo as luzes da sala, desligando o ar condicionado, permitindo a presença de um acompanhante, falando baixo, abaixando os campos para que a mulher veja seu filho nascendo e estimulando a amamentação na primeira hora. Sim, isso é possível, mas ainda não acontece de maneira rotineira nos hospitais. Por isso é importante que a mulher esteja informada e saiba exigir que seus direitos sejam respeitados também nessa hora.

  • PRIMEIROS CUIDADOS COM O BEBÊ

Muitas mulheres se preparam amplamente para o parto mas esquecem de pesquisar sobre as rotinas hospitalares feitas com o bebê na hora do parto. Nos hospitais brasileiros, o responsável pelo parto da mulher é o GO (médico obstetra) mas o responsável pelos primeiros cuidados com o bebê é o pediatra neonatologista. É ele quem determina os procedimentos a serem efetuados com o recém-nascido e se haverá separação entre mãe e filho após o parto ou não. 

É muito importante incluir os desejos da mulher para os primeiros cuidados com o recém-nascido no Plano de Parto e entregar uma cópia também ao pediatra de plantão do hospital. No momento dos primeiros cuidados com o bebê, caberá ao acompanhante de escolha da mulher garantir que a equipe de pediatria siga o que está especificado no Plano de Parto. Vale a pena mencionar no Plano de Parto a PORTARIA Nº 371, DE 7 DE MAIO DE 2014, que institui as diretrizes para a atenção humanizada ao recém-nascido (RN) e se possível anexar uma cópia da Portaria ao Plano de Parto.

  • EM CASO DE UTI NEONATAL

A possibilidade do recém-nascido precisar de o auxílio de uma UTI neonatal também é um fato imprevisível, mas que deve ser levado em consideração na hora de escrever o Plano de Parto. Existem certas coisas que a mulher pode exigir para seu bebê caso ele precise de uma internação em UTI, como por exemplo:


TERCEIRO PASSO: APRESENTANDO O PLANO DE PARTO AO GO

Caso a mulher já esteja fazendo pré-natal com o profissional que vai acompanhá-la no parto, é essencial que ela leve o Plano de Parto às consultas do pré-natal e discuta cada tópico com ele. O profissional proverá as explicações necessárias para completar o Plano de Parto e juntos mulher e profissional farão as modificações necessárias ao documento para que se chegue a um consenso a respeito do atendimento ao parto, à cesariana e ao bebê. Uma vez atingido um consenso, é recomendável pedir a assinatura do profissional na versão definitiva do Plano de Parto.

COMO FAÇO PARA GARANTIR QUE MEU PLANO DE PARTO SERÁ ACEITO NA MATERNIDADE?

Infelizmente, muitas mulheres não têm condições financeiras de contratar uma equipe humanizada para acompanhar seu parto e precisam então ter seus filhos em plantões hospitalares. Nestes casos é recomendável protocolar o Plano de Parto em cartório antes de entregar à maternidade e exigir sua assinatura pelos plantonistas no ato da internação. Veja como fazer isso aqui no post: Como estabelecer um diálogo com o hospital que vai te atender no parto? da Gabi Sallit. Ela também postou em seu blog um Modelo de Notificação Extrajudicial para protocolo de Plano de Parto. (Valeu, Gabi!)

É graças à informação que a mulher aumenta suas chances de conseguir o parto desejado. Quanto maior o nível de informação da mulher, maiores são suas chances de ter um parto agradável e que deixe boas lembranças. Hoje em dia não basta apenas desejar o parto normal, é necessário lutar por ele e o Plano de Parto é uma das maneiras da mulher que deseja o parto normal ou natural, de assegurar que seus desejos serão ouvidos e seus direitos respeitados.

O QUE FAÇO SE MEU PLANO DE PARTO NÃO FOR RESPEITADO?

O propósito do Plano de Parto é melhorar a comunicação entre a mulher e a equipe de saúde, minimizando as chances de ocorrência de situações de Violência Obstétrica. Porém, infelizmente, em alguns casos a existência do Plano de Parto não será suficiente para prevenir a V.O.. Caso você seja vítima de Violência Obstétrica, não hesite em denunciar! Descubra como aqui

Espero que tenham gostado do post!

Por Adele Valarini, Doula e Consultora Perinatal

3 comentários sobre “O que é Plano de Parto? | Por Adele Doula

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s