Mãezinha

Mãezinha, gravidinha: Aqui não.

Sempre falam a mesma coisa: “Estão sendo carinhosos!” Ginecologistas, pediatras e demais profissionais na ala da maternidade só me acham fofa e muito querida.
Será?
Vamos ver:

Um diminutivo é uma palavra que foi modificada para transmitir um menor grau de seu significado original, para transmitir a pequenez do objeto, ou ainda, em alguns casos, para transmitir um sentido de intimidade.

Ok. Intimidade é uma das alternativas. Vou explicar o motivo pelo qual eu entendo que não seja genuíno.
E se invertermos?

Doutorzinho, por gentileza leia esses resultados”
“Eu tenho retorno qual dia, mediquinho?”

Como vocês acham que o médico se sentirá:
a) Querido
b) Menosprezado

E mais!
Imaginemos outros médicos.
Um dermatologista pode adorar aquele cliente! Mas já ouviu um falar: Oi pacientezinho!

Nada a ver, não é?
Então, daí vem minha profunda antipatia em relação ao uso do diminutivo ao falarem com mães e grávidas. Porque são profissionais que tratam diversas áreas em uma só (e isso é mesmo muita coisa!) e talvez isso dê a alguns deles um complexo de superioridade que os faça menosprezar quem eles estão atendendo. Como se aquela mãe fosse incapaz de compreender o que está sendo dito e pedido. Não demonstra respeito, demonstra uma atitude soberba.

– E se o meu obstetra me chamar pelo apelido?

Apelido, ao contrário do diminutivo, remete exclusivamente a carinho. Você pode ter uma relação super amistosa com seu obstetra/pediatra e que ótimo!
A questão é: ele teve abertura para te chamar pelo apelido? Ele te chama pelo apelido ou de uma forma carinhosa (como flor, querida, etc) E está te deixando a par de tudo? Ele está provendo todas as informações necessárias?
Ele está te tratando como uma pessoa adulta, capaz de compreender e optar conscientemente por algum procedimento?

Existem mil e um médicos que chamam a mulher de “minha querida” enquanto colocam ela em posição litotômica, fazem uma episiotomia e realizam mais um monte de procedimentos desnecessários.
O mãezinha, o apelido, o abraço e sorriso não são sinônimos de humanização.
Se você der essa abertura, ele pode te chamar do mesmo apelido que sua irmã te chama, seus  amigos de infância ou seu melhor amigo, sem que ele esteja te diminuindo e subestimando.

Essa é a parte mais importante.
Se está te respeitando e sendo fofo, maravilha!

Mas chamar de mãezinha… aqui não!

Por Yohanna Cordeiro - Doula e Consultora Perinatal.
Ao compartilhar, utilize as opções do site. A cópia e reprodução integral ou de qualquer trecho desse texto não está autorizada sem que haja link direto para o original e créditos à autora. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s